Contactos cem@uma.pt
 
 
 
 
 
 
 
TRATAMENTOS
 

O combate a esta praga poderá ser feito através de práticas culturais, luta química, luta biotécnica.

Práticas culturais

Existem práticas culturais que favorecem o combate ao bichado da castanha. A limpeza das castanhas abandonadas nos soutos constitui uma medida sanitária imprescindível para a redução da praga. Aconselha-se a remoção e destruição, o mais cedo possível, das castanhas atacados do chão de modo a evitar que as lagartas abandonem os frutos e enterrem-se no solo.

As castanhas abandonadas constituem ainda uma fonte de alimento para roedores, representando um foco de desenvolvimento de outras pragas, como os ratos.

Uma lavoura pouco profunda (10 a 15 cm) durante o Inverno ou a Primavera expõe os casulos ao rigor do clima matando-os, reduzindo as populações. Há no entanto que ter em atenção para que esta prática não seja efectuada junto aos troncos das árvores, principalmente nas regiões de risco para a Phytophthora.

Na maior parte da área ocupada por castanheiros na Madeira, é muito difícil efectuar lavouras, pois trata-se de terrenos muito acentuados e na maioria muito pedregosos.

Luta química

A luta química seria recomendável na altura em que se regista os maiores picos na curva de voo desta espécie, que corresponde aos meses de Agosto e Setembro. Contudo, em Portugal não existem produtos químicos homologados para o combate ao bichado da castanha. Para além disto na Madeira este tipo de luta afigura-se muito difícil de aplicar dadas as particularidades dos terrenos, nomeadamente o elevado declive destes.

Luta biotécnica

No que respeita à luta biotécnica utilizam-se feromonas sexuais. As feromonas são substâncias químicas produzidas pelas fêmeas para possibilitar a sua localização por parte dos machos no período de acasalamento.

O uso de feromonas sexuais para a captura dos machos tem mostrado resultados positivos, tendo a vantagem de não ser prejudicial à fauna associada. As feromonas são substâncias específicas das espécies alvo, daí que, embora capturem esporadicamente exemplares de outras espécies, são em número reduzido, não representando risco para o equilíbrio das mesmas.

As feromonas podem ser utilizadas tanto na monitorização de pragas como no seu controle. A sua utilização na luta biotécnica, dirigida especificamente ao combate de pragas, pode ser feita por dois métodos diferentes:

Captura em massa: método baseado na aplicação de uma feromona especifica de determinada espécie em armadilhas contendo fundos pegajosos; os machos são atraídos por essa feromona e ficam presos nos fundos das armadilhas. Com esta prática, consegue-se uma redução significativa do número de acasalamentos através da redução do número de machos.

Confusão sexual: método baseado na perturbação da atracção dos machos em relação às fêmeas através de um aumento substancial da concentração de feromona no meio envolvente capaz de confundir os machos por forma a que estes não sejam capazes de encontrar as fêmeas, impedindo assim o acasalamento.


Colocação de armadilhas

As armadilhas com feromonas deverão ser colocadas no período correspondente à curva de voo da espécie alvo.

Este tipo de material é de fácil manuseamento; são utilizadas armadilhas tipo delta, estas possuem um suporte onde se introduz o difusor da feromona. Têm também um fundo pegajoso no qual os machos ficam presos.

As armadilhas deverão ser colocadas num ramo da árvore que esteja bem integrado na sua copa, de modo a que o efeito da feromona se difunda por toda a área envolvente. Os difusores das feromonas devem ser mudados periodicamente, assim como os fundos das armadilhas.

 
Exemplos do material utilizado:
Embalagem de uma feromona; difusor; armadilhas delta.
 
 
 
 
 
 
 
 
Webmaster: Énio Freitas 2007 © Centro de Estudos da Macaronésia E-mail: cem@uma.pt