Logo Projecto Biopolis Logo CQM
Sobre Lista Plantas Pesquisa Avançada




Informações sobre a planta
Nome Científico Rosa mandonni Déségl.
Sinónimos Rosa canina L., R. canina var. mandonii (Déségl.) Menezes, var. glabra sensu Lowe
Família ROSACEAE
Nome Comum Roseira-brava.
Partes Estudadas
Bioactividade
Etnofarmacologia
Descrição Botânica Caules curtos e muito ramificados, ou longos e arqueados até 4 m ou mais, ligeiramente espinhosos a +/- sem espinhos; espinhos até 7 mm, recurvados. Folhas pinadas com 5-7 folíolos: folíolos 6.5-37x5-23 mm, elípticas a orbiculares, simplesmente serradas ou rara e ligeiramente biserradas, glabras e eglandulares com poucos espinhos pequenos e glândulas estipitadas; estipulas por vezes com glândulas estipitadas nas margens. Inflorescências terminais com 1-9 flores; pedícelos glabros, eglandulares, sem espinhos; sépalas não persistentes nos frutos maduros, 15-30 mm, lanceoladas, caudadas, geralmente pinatificadas, pubescente-pálido em direcção às margens, eglandulares; pétalas 13-33x12-25 mm, cuneado-obcordadas, brancas, por vezes muito ligeiramente tingidas de rosa; ovário glabro, eglandular, sem espinhos. Frutos 13-25x8-18 mm, estreitamente ovóides a subglobosos, laranja-avermelhado quando maduros.
Toxicidade Desconhecida
Abundância Pouco comum
Distribuição Geográfica Madeira (Na laurissilva de 600 a 1600 m).
Origem Endémica da ilha da Madeira.

Compostos Químicos
CAS Nome


Referências Bibliográficas
Artigo DOI
J. R. Press, M. J. Short; 1994; FLORA OF MADEIRA, THE NATURAL HISTORY MUSEUM; London:HMSO. 0-11-310017-5

Fotos
Rosa_mandonii2.jpg
rosa_mandonii.jpg


©2007 • Centro de Química da Madeira • Universidade da Madeira