Archive for July, 2006

Avós e Netos vs o Império do Meio

Wednesday, July 26th, 2006

O dia dos avós no meu tempo era o domingo. Era o dia em que nos reuníamos com a serenidade para a tal convivência e troca de mimos. Transmissão de cultura, como se diz hoje. Os meus avós eram formidáveis, eram do outro século. Ele tinha nascido em 1900 e ela em 1904.  Os que conheci. Mas eram fantásticos e tinham uma grande sensibilidade. Ainda hoje, tantos anos depois deles partirem, revejo-os. Às vezes sem razões aparentes. Outras, quando visito os lugares onde fizeram a sua vida. Outras ainda, quando vejo a minha mãe cumprir o papel de avó e repetir os exageros que condenou nos pais.
Quando eu era neto  os ralhetes e reprimendas tinham uma escala. Chamemos-lhe, a escala de Richter das repreensões. Nenhuma oscilação poderia subir os 2 graus. Se acontecesse era um terramoto e os serviços de protecção (civil - eram os avós) entravam em cena. Não deixavam avançar mais. A autoridade máxima ao tempo, os pais, ficava desolada, lá se ia por terra a tentativa de incutir disciplina e rigor. Os avós estragavam tudo.
Hoje, quando há já muita gente da minha idade ( 47 anos) no desempenho dessas funções,  deleito-me a ver como as coisas se processam de forma regular. Repetimos papéis neste palco da vida.

Interessante que vejo nisso uma coisa normal. Estarei a ficar maduro? A vida é mesmo um grande palco! Entram uns, saem outros. Representamos os nossos papéis, sem ponto e sem ter de reler guiões, apesar de mudar o cenário e o contexto.
Uma geração alia-se à outra que está um patamar adiante contra a geração do meio. Essa, fica com o strésse de ter de arcar com a parte mais dura. Educar, como pode e quando pode,  tendo de sujeitar-se à tirania dos filhos e dos pais.
Não há nada a fazer. Imagine-se que hoje, 26 de Julho de 2006, ( agora este é o dia dos avós) gostava de ter comigo os meus. Estar com eles e deixar que  advinhassem o que me ia na alma e, como sempre, acertarem.

Roquelino Ornelas
 

A Condoleezza vai ali e já vem

Monday, July 24th, 2006

Corria o ano de 1982 e eu apresentava-me ao mundo. Nesse mesmo ano assistia-se a uma guerra entre Israel e a Líbano. Passados estes anos, em contornos gerais, a história repete-se.

Crianca morta no Sul do Líbano

Enquanto alguns chefes da diplomacia europeia tentam dissuadir Israel dos seus ataques ao Líbano, Condoleezza Rice, Secretária de Estado dos EUA, desloca-se esta 2ª feira ao Médio Oriente, não para promover o cessar-fogo mas sim para fomentar uma “paz duradoura” (?).

Mortos libaneses apos ataques israelitas

Todavia, se esta visita de Rice não surtir os efeitos desejados, a Secretária vai dar uma “voltinha” até Roma e à Malásia e regressa ao palco de guerra, ou seja, deve ser do tipo: “vão-se matando que eu depois venho aqui desapertar”.
A ideia que passa sempre nestas questões é que as intervenções dos EUA são legítimas, são as melhores decisões com as melhores das intenções. Nós o “Bem” e eles o “Eixo do Mal”. Nós os abençoados por Deus (os eleitos) e eles os “terroristas”.
O puritanismo dos americanos era e continua a ser, muitas vezes, justificado pelo que está escrito na Bíblia, como por exemplo a referência a escravos dava-lhes autoridade para permitirem o esclavagismo.

Uma curiosidade: Condoleezza Rice é filha de presbiterianos, inclusive o seu pai é pastor, e uma das máximas aclamadas na Igreja Presbiteriana é “the love is the bond of Perfection”.
Relembro que os antepassados de Rice foram sujeitos às atrocidades e à soberbia de outros (leia-se esclavagismo e racismo). Foi apenas apenas há 40 anos que Martin Luther King bradou “I have a dream”.

Pelos vistos Rice tem a memória curta e agora é uma puritana americana, daquelas que embarcaram no Mayflower e no “terrorismo de Estado” de Bush.

Crianca morta no Libano

Fonte das imagens:
http://www.cmylebanon.com/images/thumbnails.php?album=207

Roberto Xavier

CHOQUES - receita Canotilho

Sunday, July 23rd, 2006

Gomes Canotilho

Precisamos de Choques – diz Joaquim Gomes Canotilho, Professor e Investigador de Direito na Universidade de Coimbra.
Este iminente constitucionalista, rejeita as acusações que se fazem ao actual texto constitucional. Haja vontade de resolver os problemas do País que esta Constituição é bastante.
Canotilho é a personalidade escolhida para a “ ENTREVISTA” da última edição da Visão. Uma entrevista que vale a pena ler.
Diz o catedrático que o primeiro choque de que Portugal precisa é o demográfico, explicando que é preciso proteger mais a maternidade. Outro choque; o da gestão. Terceiro choque; o da inovação e do conhecimento  -  aqui recomenda exigência, rigor e envolvimento em prole do progresso e da igualdade social.
Achei bastante interessantes as sugestões deste intelectual que não anda a apanhar bonés e sabe do que fala. Por exemplo, tem a lucidez de considerar que o meio onde trabalha a Universidade também precisa de choques. A Universidade, diz ele, “funciona em moldes clássicos, irracionais e ultrapassados”.
Magister dixit.
Roquelino Ornelas 
 

O “vendedor” José Sócrates.

Sunday, July 16th, 2006

Jose Socrates

José Sócrates foi o último convidado de Maria João Avillez, no seu programa da SIC Notícias “Outras Conversas”.
Sinceramente fiquei tentado a mudar de canal, não o fiz por respeito à jornalista e pela curiosidade do resultado final. Lembrava-me um daqueles intervalos de publicidade que nunca mais acabam, a diferença é que o anunciante era sempre o mesmo.
O grupo parlamentar do PS são todos meninos e meninas muito bem comportados, o PS é um partido renovador e moderno desde há muito, a relação entre o Primeiro-Ministro e o Presidente da República é excelente (uma aprendizagem constante), o choque tecnológico e o Simplex são muito à frente (sempre envoltos de muito show-off). Tudo slogans de Sócrates.

As vendas parecem que não tiveram muito sucesso, visto que a compradora mais directa era daquelas desconfiadas do produto (pelo menos desta vez).

Bela técnica de venda encostar o comprador contra a parede e responder às perguntas com perguntas.

Roberto Xavier

Árvore do Fogo - Esplendor no Verão

Sunday, July 16th, 2006

Arvore do fogo

Os “remorsos” da D. Lurdes

Friday, July 14th, 2006

Exames Nacionais

O DN noticiou hoje que os “Alunos de Química e Física podem repetir exames”, conforme foi alegado pelo Ministério da Educação.
Afinal, chegaram à brilhante conclusão que os maus resultados, nos exames nacionais do 12º ano, não se devem apenas à prestação dos educandos. Pelos vistos, os exames têm erros de formulação e um grau de dificuldade demasiado elevado, contrastando com os conteúdos programáticos leccionados.
Repito novamente o ditado que já tinha utilizado noutro post: “Quem se arrepende, salva-se”

Será?

Fonte:
http://dn.sapo.pt/2006/07/14/sociedade/alunos_quimica
_e_fisica_podem_repeti.html

Roberto Xavier

BBC – entrevista ao Chairman

Friday, July 14th, 2006

BBC

O Presidente da BBC, Michael Grade foi entrevistado ontem num dos Programas da Estação.  Segundo descreve um dos editores no blogue http://www.bbc.co.uk/blogs/theeditors/, o homem não foi poupado a nenhuma questão e teve mesmo de responder a algumas bem delicadas que implicavam esclarecimentos em relação a honorários pagos. Foi tratado como qualquer servidor do Estado a quem se impõe a prestação de contas. Mas o simples facto deste editor achar que devia sublinhar esta nota indicia por si só que apesar de tudo Mr Chairman teria preferido ser poupado já que jogava em casa. Não aconteceu assim e isso foi entendido como algo, digno de ser destacado no blogue.Terá sido para consolidar o que lá é referido como a capacidade da redacção da BBC para resistir em bloco a todas as tentativas de interferência da corporação. A velha Álbion ainda dá bons exemplos ao mundo.

Roquelino Ornelas

O PSD Madeira errou

Friday, July 14th, 2006

Fernando Teixeira dos Santos, ministro das Finanças, nasceu em 1951. Ou seja, tem 55 anos (informação disponível no site oficial do Governo da República), menos 9 anos do que o Presidente do Governo da Madeira e de alguns outros elementos do elenco do Dr. Jardim. Isto para não citar a data de aniversário do Dr. Miguel Mendonça por respeito ao titular do primeiro orgão de governo próprio da região.  

Por outro lado, é feio, de mau gosto, e de baixa argumentação política servir-se de dados do BI no uso do direito do contraditório.  

O PSD Madeira apresentou, esta semana, na Assembleia Legislativa um voto de protesto pelas «desprezíveis declarações» do Ministro das Finanças que, em Bruxelas, transferiu as responsabilidades do défice público regional para o governo da Madeira, entidade que deve esclarecer a situação. Mas, afinal, a dívida da Madeira não é mesmo da responsabilidade do governo regional? Não confundamos esta situação com as obrigações do Estado para com as suas regiões autónomas.  

Não distinguir estas duas vertentes, é cair na impunidade.    

No parlamento madeirense, o PSD/M resolveu adjectivar as declarações de Teixeira dos Santos de «provocatórias» e reveladoras do «ódio e rancor (?) existente no íntimo daquelas gentes (?) socialistas que governam, e mal, o rectângulo português» sugerindo que, «tal como seu ex-colega Professor Freitas do Amaral», o ministro das Finanças sofre de «cansaço psicológico e físico na sua actuação. Compreensível pela sua idade avançada. O que só por si não justifica as suas distracções», acrescenta o texto aprovado pelo PSD. 

Afinal, quem é velho? Quem é que anda distraído?  

Nota: O PSD/M  não deve evocar a idade de ninguém antes de fazer um levantamento etário interno. 

Quanto à reprise de uma nova revolta da farinha, ameaça do deputado Coito Pita, o muito que poderá haver é o levantamento do farelo. A cargo do Ministério Público.  

Lília Bernardes

Próxima Estação: CNA

Wednesday, July 12th, 2006
GWB

NORMAN: O verdadeiro…

Sunday, July 9th, 2006
  

Norman

designEverydays01.gif