Archive for August, 2006

Enquanto uns estão de férias….

Wednesday, August 23rd, 2006

Outros constipam-se. Engripam-se. Com febre. Tossem. Será que o Deus “cósmico” madeirense - citado no discurso do Dia da Cidade do Funchal - manda soltar, todos os anos, os ácaros que atingem a rinite crónica evoluindo, lentamente, para um ataque…não da Armada Portuguesa mas aos brônquios cansados do mesmo ar, das mesmas palavras, das mesmas caras, dos mesmos gestos, dos mesmos nomes.

O ar da Madeira está a precisar de um tufão que levante a poeira acamada. Terra batida onde só a água consegue escorregar, perdendo-se em veios inconsequentes.

Tenho saudades de Setembro. Das marés-vivas da Ribeira Brava que empurravam o calhau e que a mão dos empreiteiros do desenvolvimento acabaram. Espero que o deus «cósmico» (ou será cómico?) acorde de uma letargia assustadora e perceba que há muitos sonhos que morrem a dormir.

Lilia Bernardes

 

A lista do fisco madeirense

Tuesday, August 8th, 2006

Não encontro razão nenhuma para a Madeira recusar a divulgação dos grandes devedores ao fisco.

Recorde-se que, por enquanto, o IVA é devolvido à região com base na totalidade do cobrado a nível nacional e no princípio per capita. Um bónus que a proposta da nova lei de revisão das finanças regionais promete acabar. E aqui coloca-se uma questão. Não quer o governo regional ter autonomia fiscal e financeira? Ou só quer ter metade ou consoante os interesses pontuais? Por outro lado, há muita gente a trabalhar na RAM cujos honorários são pagos pelos cofres do Estado.

Será que a lista dos grandes devedores ao fisco da Madeira Nova coincide com a lista dos grandes credores do governo regional? 

E não me venham com alegações pidescas. Quem não tem nada a ocultar não teme a transparência. Não me digam que na Madeira a mais pequena nuvem já é sinal de céu coberto.

Lília Bernardes  

Cuba - ao fim e ao cabo

Tuesday, August 1st, 2006

fidel-raul.jpg

Havana, está calma e serena apesar da notícia do agravamento do estado de saúde de Fidel Castro, submetido a uma intervenção cirúrgica aos intestinos.
Já o mesmo não se passa  em Miami, na Florida, onde milhares de cubanos exilados vieram para a rua manifestar-se, mal souberam da notícia do internamento de Castro.
A colónia sonha com a possibilidade de uma mudança de regime, só possível com o afastamento do velho revolucionário.
No poder há 47 anos, esta é a primeira vez que Fidel delega os seus imensos poderes, no irmão Raul de 75 anos, o eterno número dois do regime.
A História há-de atribuir a Fidel Castro o lugar do revolucionário romântico que em 1959, desce da Sierra Maestra, com outros jovens como ele, entre os quais o lendário Che Guevara, para obrigar o ditador Fulgêncio Baptista, a deixar a ilha e exilar-se no estrangeiro (Baptista viveu no Hotel Reid´s, no Funchal durante algum tempo).
Revolução ou morte gritavam os jovens barbudos.  Uns tempos depois percebeu-se que a ditadura continuava em Cuba. É por isso que a História também não calará aqueles que foram executados por puro delito de opinião, os que morreram nas prisões cubanas, no mar que separa a ilha da costa americana, e ainda os que foram torturadas e perseguidos.
A Revolução foi chão que deu uvas, mas o presidente e os seus “jovens” companheiros pararam no tempo. Continuam a gritar pelos inimigos externos e esquecem que o mundo mudou.
Não há fome que não dê em fartura. Cuba precisa de um líder forte para suceder a Fidel, capaz de abrir-se ao mundo sem transformar o País num mero satélite do imperialismo vigente.
É obra que não está ao alcance do ”delegado” Raúl. Fidel não aceita uma “jubilación forçada” e prometeu regressar. 

Roquelino Ornelas

A Mona Lisa foi de “vacances”

Tuesday, August 1st, 2006

Mona Lisa de ferias 

« »
Roberto Xavier