Archive for March, 2008

A menina, o telemóvel e a professora

Thursday, March 27th, 2008

As cenas são chocantes. Uma turma inteira de imbecis, filhos de outros imbecis.

A verdade é que todos falam da “autoridade” necessária dos professores mas todos esquecem o papel da família. Faço parte de uma geração que “autoridade” no ensino significava pavor, medo. E a Escola não é isso. O respeito pelos outros, professores ou não, aprende-se em casa. Acredito piamente que esta turminha de palermas deve dar sovas nos papás que vão a correr comprar-lhes mais umas sapatilhas de marca e um telemóvel mal eles soltem o grito da ordem.

Se esta cena fosse passada a bordo de um avião, o que é que aconteceria? Será que vamos estar sujeitos a meninos destes? E volto a reafirmar o que disse anteriormente. Não desresponsabilizem a família. Essa sim, pilar da formação de qualquer um.

Há dias vi um desses produtos do marketing dirigidos às ofertas do dia do PAI no qual dizia o seguinte: “UM PAI VALE POR MIL PROFESSORES”. Estão a brincar, com certeza.

Lilia Bernardes 

 

A minha mãe será eterna

Tuesday, March 25th, 2008

Quero que todos saibam que a minha mãe comemora hoje, 25 de Março, 85 anos. E teve uma surpresa. Três primas da “terra” de Trás-os-Montes, filhas da prima verdadeira Alcinda (já falecida), com vidas de trabalho entre França, Espanha e Brasil, todas com experiências de fuga na fronteira portuguesa ao tempo da ditadura, resolveram fazer-lhe uma surpresa. Três mulheres meteram-se num avião e vieram ao Funchal ver “a tal prima Adelaide” que um dia deixou as serranias primeiro para Lisboa e mais tarde, por amor, embarcou para uma ilha. As primas que aqui chegaram, hoje, vieram cumprir uma promessa feita à mãe Alcinda antes desta viajar para o mundo dos que não voltam.

E elas vieram. Neste momento, somos cinco mulheres a ouvir histórias do passado. Sentadas. A provar um folar caseiro lá da ”terra”, uns enchidos que a ASAE não apanhou. Fiz um interregno e deixei-as trocar saudades. Há registos que não partilho. Porque nasci depois. Noutro local a meio do mar. A minha mãe, que será sempre eterna, que me apetece pegá-la ao colo só para ela responder “julgas que estou velha”, tem uma memória de elefante. Sou filha desta cultura feminina com cheiro a fumeiro. Há uma força que lhes sai das veias como se um calor se soltasse depois de uma noite gelada.

Sinto-me de regresso a casa. E não sei porquê.

Lilia Bernardes

 

Autoritarismo na Turquia

Monday, March 24th, 2008

A Federação Internacional de Jornalistas expressou hoje o seu repúdio e preocupação face à detenção de Ilham Selcuk, colunista veterano do jornal turco Cumburiyet, orgão que desde a sua fundação, há 84 anos, defendeu sempre o ideal da democracia, dos direitos humanos, e justiça social e da separação dos poderes. Nos últimos anos, Ilham Selcuk foi obrigado a viver acompanhado por 15 guarda-costas oficiais. A sua prisão não é só uma forma de silenciar, intimidar, mas, sobretudo, a denúncia de um autoritarismo de Estado. Com a Europa a ver…

Em 2015, se tudo correr como  o previsto, a União Europeia chegará ao Irão e ao Iraque. Tão grande seremos! É que 2015 é a data prevista para a entrada da Turquia na União Europeia, ao fim de dez anos de negociações. Mas apetece aderir ao movimento contra a entrada deste país na roda das estrelas UE.

Lilia Bernardes

“Je ne regrette rien”? Excuse-toi, Monsieur Le Président

Saturday, March 22nd, 2008

Foi soltando o trecho “Je ne regrette rien“, uma das composições que eternizaram a artista francesa Edith Piaf, que Alberto João Jardim recuou 30 anos e condensou o que foram os seus três decénios à frente dos destinos da Região Autónoma da Madeira.

Não se arrepende de nada? Mas ainda vai a tempo. As linhas da palma da mão do futuro não desenham nada de bom.

Não desgosto de Piaf mas prefiro Boris Vian.

Nesta espécie de música pedida, dedico a faixa “LA VIE C’EST COMME UNE DENT” retirada do CD, Luis Madureira Canta Boris Vian.

“La vie c’est comme en dent

D’ abord on y a pensé

On s’est contenté de mâcher

Et puis ça se gâte soudain

Ça vous fait mal, et on y tient

Et on la soigne et les soucis

Et pour qu’on soit vraiment guéri

Il faut vous l’arracher, la vie”.

Lília Bernardes

Voltei

Saturday, March 22nd, 2008

Andei afastada das escritas bloguistas. Meti umas folgas (que ainda não terminei) e resolvi parar as teclas. Mas isto é sempre sol de pouca dura. Hoje resolvi regressar porque senti falta. Saudades. E ao olhar para os últimos dois anos, tanto tempo, concluo que valeu a pena estarmos juntos.

Foi nesta reflexão que o filme se projectou no écran das minhas memórias. Boas memórias quando os “inserts” entram as imagens da faculdade. Mas há outros, porém, que preferia esquecer. Como ouvir, por exemplo, um imbecil justificar uma atitude cobarde relativamente a uma terceira pessoa que me é muito querida,  dizendo-me “sabe, esta não é a minha praia”. Uma frase que me dá voltas ao estômago e que apetece ir às trombas de quem a profere ou proferiu porque dita a frio ou a quente significa o maior dos desrespeitos pelos outros, revela uma falta de princípios e valores sobretudo numa geração que se acha proprietária do presente e do futuro. É moda? Engana-se. Sei que há ovos sem recheio. Mas, também, sei que todos se partem. Aliás, é tão fácil partirem-se.

Lilia Bernardes

Venham mais dois de uma assentada

Sunday, March 9th, 2008

two_years_old.JPG

E já lá vão dois anos… 452 posts, 855 comentários e 102 958 visitas

Dia 12 de Março de 2006 escrevemos as primeiras palavras neste blog, com o objectivo de cumprir um projecto académico que nos tinha sido proposto.

O que inicialmente era uma obrigação para manter o nosso compromisso académico e que apenas ficava entre as “paredes” da Universidade, rapidamente propagou-se para o mundo da Internet, convertendo-se num compromisso para leitores conhecidos mas também muitos desconhecidos, que nos iam acompanhando, uns mais regularmente do que outros.

Hoje em dia quando ficamos uns dias sem escrever há sempre alguém que diz: “Então nunca mais escreveram nada?”.
Por estes e por aqueles que não se revelam vamos fazer os possíveis para que venham pelo menos mais dois anos de uma assentada.

Para os mais nostálgicos fica o link para primeira página deste blog

Roberto Xavier

Parabéns Maria Luísa !

Wednesday, March 5th, 2008

maria-luisa.jpg

Na próxima sexta-feira a Presidência do Governo Regional homenageia Maria Luísa, jornalista da RTP-Madeira durante mais de trinta anos. 
A proposta foi da Associação de Mulheres Empresárias e acontece no âmbito das comemorações do Dia Internacional da Mulher.
Pioneira da televisão regional frequentou várias acções de formação em Portugal e em Paris. Era das profissionais que conhecia profundamente a técnica da informação audiovisual.
Há uns anos atrás aproveitou vantagens especiais na empresa e retirou-se.
Foi fazer outras coisas também importantes: Ler, viajar, ensinar e cuidar dos sobrinhos netos de quem fala muito.
Quem a conhece sabe que é uma mulher de coragem, de lutas e de coração grande. Talvez demasiado perto da boca  como se costuma dizer. Mas há mais adjectivos para ela; sem papas na língua, directa, frontal e, acima de tudo, incapaz de guardar rancores.Neste mundo cão é um ser extraordinário. Amiga do seu amigo, leal, honesta e solidária.
Mereces isto tudo Luísa. E, não sou suspeito apesar de amigo.
Fomos companheiros de reportagem. Ela pela RTP, eu pela RDP onde iniciei a minha actividade profissional. Depois, em 1987, num “jornal de sábado” que ela apresentava fui jornalista convidado para comentar a actualidade. Só mesmo ela com o seu jeito particular para me encaixar nesse papel. Seguiram-se anos de caminhada comum com partilha  e também algumas divergências de opinião. Cumplices sempre num conjunto de princípios. 
Uma homenagem merecida. Bem hajam!

Roquelino Ornelas