Picture

Projecto de Apoio à Conservação da Tartaruga Marinha Caretta caretta no Atlântico Norte

Picture

 TARTARUGA-DE-COURO
Dermochelys coriacea

I: leatherback turtle, E: tortuga laúd, F: tortue luth, A: Lederschildkröte

Identificação

Biologia

Distribuição

Identificação:

A tartaruga de couro é a maior de todas as tartarugas marinhas, atingindo150 a 170 cm de comprimento direito da carapaça e pesando até 500 kg (raramente 900kg). A sua carapaça é única na medida em que, em vez de placas duras, é coberta por uma camada contínua de pele fina e possui uma série de sulcos longitudinais (7 na região dorsal e 5 na face ventral). Outras características distintivas desta espécie são a ausência de unhas, as suas grandes barbatanas (com cerca de 1m nos adultos) e o reduzido esqueleto, já que muitos ossos presentes na carapaça das outras tartarugas estão ausentes na tartaruga de couro. A cabeça dos adultos é pequena em relação ao comprimento da carapaça (17 a 22.3 %), sendo esta redonda e desprovida de placas. O bico, apesar de ser frágil, tem as extremidades aguçadas e a mandíbula superior apresenta a forma de w quando vista de frente. Os adultos possuem uma coloração negra, possuindo muitas vezes manchas brancas. Os machos são distinguidos das fêmeas principalmente pela sua cauda mailonga. As fêmeas, para além da cauda menor, possuem uma mancha cor-de-rosa no cimo da cabeça (explicação da terminologia).

 

Biologia:

Estas tartarugas são basicamente pelágicas e apenas se aproximam da costa durante as épocas de reprodução. A dieta alimentar dos recém nascidos e juvenis é desconhecida, assumindo-se que a espécie seja carnívora durante todo o seu ciclo de vida. Os adultos alimentam-se principalmente de medusas, tunicados e outros invertebrados epipelágicos de corpo mole, abundantes em zonas de "upwelling" e de correntes de convergência. Embora se alimente basicamente de organismos epipelágicos, esta tartaruga desce frequentemente a águas profundas, estando fisiologicamente bem adaptada ao mergulho profundo. Ao contrário da maior parte das tartarugas marinhas, que nidificam durante a Primavera e Verão, a tartaruga de couro normalmente nidifica no Outono e Inverno, emergindo em grandes grupos nos locais de desova, formando "arribadas". As praias de desova caracterizam-se pela ausência de recifes, pelos declives acentuados que facilitam o acesso a estes corpulentos animais e por se localizarem perto de águas oceânicas profunda Os ninhos são geralmente construídos ao longo da linha da Preia-mar e muitas vezes abaixo desta, o que tem como consequência a perda de toda a postura quando a água invade o ninho nas marés vivas. Dermochelys coriacea tem um ciclo de nidificação de 2 a 3 anos. As fêmeas geralmente fazem 4 a 5 posturas em cada estação reprodutiva (menos frequentemente 6 ou 7), com intervalos de 10 dias, depositando 61 a 126 ovos de cada vez. A incubação varia entre 50 e 78 dias e está relacionada com a temperatura e a humidade do local. Em ambientes quentes e secos o período de incubação é mais curto e as taxas de sobrevivência são menores. A emersão dos recém nascidos acontece na maior parte das vezes durante a noite. À semelhança do que acontece com as outras tartarugas, os ovos e os neonatos são predados por uma variedade de organismos, no entanto os neonatos desta espécie são demasiado grandes para os pequenos predadores. Os juvenis e adultos são predados por tubarões, assim como por orcas (Orcinus orca).

 

Distribuição:

As tartarugas de couro adultas estão adaptadas a águas mais frias do que as outras tartarugas, por isso a sua distribuição é mais ampla, havendo numerosos registos da espécie em latitudes elevadas, distantes das zonas tropicais e subtropicais de desova. As principais praias de nidificação no Atlântico localizam-se no Caribe e na costa Atlântica da América do Sul, havendo algumas praias de desova solitárias espalhadas ao longo da costa oeste Africana. No Mediterrâneo não existem registos recentes de nidificação. Em Portugal existem vários registos de tartarugas de couro adultas, a maior parte delas capturadas acidentalmente em redes.

Existem duas subespécies: Dermochelys coriacea coriacea no Atlântico e Dermochelys coriacea schlegelii no pacífico, separadas principalmente pelos diferentes padrões de distribuição geográfica, mas também por caracteres morfológicos (tamanho da cabeça e do corpo) e pela coloração, acreditando-se que a quantidade de manchas brancas que cobrem o corpo seja significativamente diferente nas duas populações.

Picture

Secção de Biologia Marinha e Oceanografia da Universidade da Madeira

Copyright© 1997 SBMO

 Esta página é mantida por Carla Freitas (cfreitas@dragoeiro.uma.pt)

 Última modificação: 23.09.1998